Fale conosco pelo WhatsApp Siga-nos no Facebook Siga-nos no Instagram Siga-nos no Twitter Siga-nos no Youtube

DESTAQUE / ENCONTRO ESTADUAL

Imprimir Notícia

Bancários debatem terceirização no II Encontro Estadual

II Encontro Estadual dos Bancários 2015 foi realizado no sábado (27/06), na sede do SEEB-MA, em São Luís.

30/06/2015 às 08:45
Ascom/SEEB-MA
A+
A-

Clique na foto para ampliá-la

A terceirização e os prejuízos que ela provoca à classe trabalhadora foram o tema do II Encontro Estadual dos Bancários 2015, realizado no sábado (27/06), na sede do SEEB-MA, em São Luís. Além de bancários, participaram do debate trabalhadores de outras categorias e representantes de entidades, como a AEBA, AFBNB, Apruma, Anel e CSP-Conlutas.

Na abertura do Encontro, o presidente da AEBA, Sílvio Kanner, avaliou que a crise político-econômica que assola o Brasil não poderia ser melhor para a luta dos trabalhadores. “Esta é a hora de nos mobilizarmos. A corrupção e o ajuste fiscal fragilizaram o Governo, que está sem força, formando o cenário ideal para a luta e para conquista de nossas demandas” – afirmou.

Em sua palestra, o economista e membro do Ilaese, Eric Gil, explicou as diferenças entre um trabalhador contratado diretamente e um terceirizado. “Em suma, o terceirizado ganha menos, trabalha mais, sofre mais acidentes de trabalho fatais, é demitido mais cedo e está sujeito a condições de trabalho análogas à escravidão” – explicou.

Eric Gil desmitificou, ainda, a falácia alardeada por políticos e patrões defensores da terceirização de que esta medida nefasta geraria mais empregos. 

“Na verdade, é o oposto. Um terceirizado trabalha, em média, 43h semanais. Logo, se um mesmo empregado pode trabalhar mais e produzir o mesmo que dois, haverá é a diminuição das contratações” – avaliou.

Por sua vez, a auditora fiscal e diretora do Sinait, Lílian Rezende, alertou em sua palestra sobre o risco da terceirização para organização sindical. “Como um terceirizado, que passa menos de um ano e meio no serviço e é demitido poderá se sindicalizar, se mobilizar e juntar-se à luta? – questionou.

Para Lílian, o que os patrões querem, de fato, é pulverizar o movimento sindical, desmobilizando a classe trabalhadora e enfraquecendo o poder dos sindicatos nas mesas de negociações. 

A diretora do Sinait sugeriu, ainda, que os trabalhadores conquistem a simpatia da população, conscientizando-a de que todos são vítimas das mesmas políticas cruéis da classe patronal.“Na Campanha Salarial, devemos mostrar à população os dramas reais vividos por nós, a fim de sensibilizá-la, fazendo-a se unir à luta" - opinou.

No fim do Encontro, Eric Gil sintetizou, com clareza, que “a terceirização só interessa aos empresários, não tendo nada de bom para os trabalhadores, que só tem a perder” - finalizou.

Lílian, por sua vez, conclamou a sociedade a sair da omissão, trabalhando junto com os sindicatos contra os ataques patronais, na defesa dos direitos e na luta por novas conquistas.

Caso contrário, recitou ela:

"[...]

Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem; pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada.
[...]"

*** Trecho do poema “No caminho, com Maiakóviski”, de Eduardo Alves da Costa.

Dowload dos slides do curso
Dowload dos slides do curso

MATÉRIAS RELACIONADAS
ELEIÇÕES
SOBRE

Sindicato dos Bancários do Maranhão - SEEB/MA
Rua do Sol, 413/417, Centro – São Luís (MA)
E-mail: comunicacao@bancariosma.org.br
Telefones: (98) 3311-3500 / 3311-3516
CNPJ: 06.299.549/0001-05
CEP: 65020-590

MENU RÁPIDO

© SEEB-MA. Sindicato dos Bancários do Maranhão. Gestão Sindicato em Ação: a luta continua!