PLANTÃO / EMPREGO

Imprimir Notícia

Brasil registra 26,5 milhões de pessoas sem trabalho adequado, diz IBGE

19/05/2017 às 09:05
Brasil Econômico
A+
A-

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (18) que no primeiro trimestre deste ano, a taxa composta da subutilização da força de trabalho, abrangente aos desocupados, subocupados por insuficiência de horas e os que fazem parte da força de trabalho, ficou em 24,1%, o que representa 26,5 milhões de pessoas sem trabalho adequado.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do IBGE ainda mostrou que no quarto trimestre do ano passado, a taxa foi de 22,2% e de 19,3% no primeiro trimestre. Em relação à taxa combinada de subocupação por insuficiência de horas trabalhadas e desocupação, o resultado foi de 18,8%, ou seja, 5,3 milhões de trabalhadores subocupados por insuficiência de horas trabalhadas e 14,2 milhões de desocupados. Em 2016 essa taxa foi de 17,2% no quarto trimestre e de 15% no primeiro trimestre.

A taxa combinada da desocupação e da força do trabalho potencial foi de 19,3%, representando 21,3 milhões de pessoas que estão desocupadas ou que gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho ou não estavam disponíveis. No quarto trimestre de 2016, para o Brasil, essa taxa foi de 17,4% e de 15,4% no primeiro trimestre.

Já a taxa de desocupação , de 13,7%, subiu em todas as Grandes Regiões no primeiro trimestre de 2017 se comparado ao quarto trimestre de 2016. Na região Norte o resultado passou de 12,7% para 14,2%, enquanto no Nordeste foi de 14,4% para 16,3%. No Sudeste a taxa passou de 12,3% para 14,2%, de 7,7% para 9,3% no Sul e de 10,9% para 12% no Centro-Oeste. Vale ressaltar que o Nordeste permanece com a maior taxa de desocupação entre todas as regiões.

Cerca de 28,8% dos jovens de 18 a 24 anos de idade estão desocupados, patamar superior ao previsto pela taxa média total. Este comportamento foi verificado tanto para o Brasil, quanto para cada uma das cinco Grandes Regiões, com 19,1% no Sul e 32,9% no Nordeste. Nos grupos de pessoas de 25 a 39 e de 40 a 59 anos de idade, o índice foi de 12,8% e 7,9%, respectivamente.

O percentual de mulheres na população desocupada foi maior ao de homens, com 50,6% no primeiro trimestre deste ano. Na maioria dos resultados regionais, o percentual de mulheres na população desocupada foi superior ao de homens, com exceção do Nordeste, com 48,8%. Na Região Norte, o resultado foi o maior, com 52,2%.

Rendimento No que se diz respeito ao rendimento médio habitual dos trabalhadores, o resultado ficou acima da média do Brasil, com R$ 2.110. Nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, o rendimento foi superior, com R$ 2.425, R$ 2.355 e R$ 2.281, respectivamente. Por outro lado, o Nordeste ficou abaixo da média, com R$ 1.449, assim como o Norte, com R$ 1.602.

Na comparação entre as Grandes Regiões, entre o quarto trimestre de 2016 para o primeiro trimestre de 2017, houve variação positiva no rendimento nas regiões Norte, com 2,6% e Nordeste, com 3%, enquanto nas demais o quadro se manteve estável.

A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados, de R$ 182,9 bilhões de reais para o País com um todo, obteve o maior resultado regional no Sudeste, com R$ 95,1 bilhões.

Ocupação Estimado em 53,1%, o nível de ocupação apresentou recuo de 0,9 ponto percentual no primeiro trimestre do ano se comparado com os 54% do trimestre anterior. A redução foi ainda maior frente ao primeiro trimestre de 2016, com baixa de 1,7 ponto percentual. Em comparação ao quarto trimestre do ano passado, todas as Grandes Regiões apresentaram quedas, sendo a maior delas no Norte, com 3,6 pontos percentuais e a menor no Sudeste, com 0,6 ponto percentual.

Também no primeiro trimestre deste ano, o nível da ocupação dos homens, no Brasil, foi de 63,2%, enquanto o das mulheres de 43,8%. Nas cinco Grandes Regiões, o destaque foi do Norte, com a maior diferença entre homens e mulheres, com 24 pontos percentuais. Já o Sudeste teve a menor diferença, com 17,9 pontos percentuais.

Nível de ensino A pesquisa também evidenciou que entre as pessoas ocupadas, 27,6% não concluíram o ensino fundamental, 57% concluíram o ensino médio e 18% tem nível superior. Nas Regiões Norte e Nordeste, respectivamente, 35,4% e 36,7% não haviam terminado o ensino fundamental. Já no Sudeste, cerca de 63,2% das pessoas completaram pelo menos o ensino médio, enquanto que no Sul, este percentual foi 56,3%.

É importante lembrar que o Sudeste também foi a região com o maior percentual de pessoas com nível superior completo, com 22,2%. No Norte, este índice foi o com a menor taxa, com 13,3%.

População fora da força de trabalho No primeiro trimestre de 2017, a taxa de pessoas fora da força de trabalho foi de 38,4%. De acordo com o levantamento do IBGE, 36,1% da população nesta condição era composta por idosos. Aqueles com menos de 25 anos de idade representavam 27,8% e os adultos, com idade de 25 a 59 anos, 36%. Sul e Sudeste obtiveram os maiores percentuais de idosos fora da força de trabalho, com 42,8% e 40,9%, respectivamente. Outro dado apontado é que a população fora da força de trabalho era composta em sua maioria por mulheres, com 65,2%.  

Deixe sua opinião sobre essa matéria:

Limite de caracteres (0 / 250)
SOBRE

Sindicato dos Bancários do Maranhão - SEEB/MA
Rua do Sol, 413/417, Centro – São Luís (MA)
E-mail: comunicacao@bancariosma.org.br
Telefones: (98) 3311-3500 / 3311-3522
CNPJ: 06.299.549/0001-05
CEP: 65020-590

MENU RÁPIDO

© SEEB-MA. Sindicato dos Bancários do Maranhão. Gestão Mobilização, Unidade e Luta.