PLANTÃO / BANCO DO BRASIL

Imprimir Notícia

BB deixa de oferecer conta digital gratuita aos clientes; entenda

05/10/2016 às 09:12
Infomoney
A+
A-

A Conta Eletrônica do Banco do Brasil não está disponível para novos clientes desde o dia 28 de setembro, segundo informações do próprio banco. O serviço, isento de quaisquer tarifas para transações eletrônicas, será mantido apenas para clientes que já o possuam.

Procurado pelo InfoMoney, o BB explicou que a conta digital está passando por uma reformulação e a nova versão “já está em fase de teste e contará com novas funcionalidades via mobile”; será um modelo simplificado de conta, ainda sem previsão para estar disponível para clientes.

Ainda não se sabe se, igual ao serviço indisponível, a nova conta digital será gratuita e qual será o seu pacote de serviços – esses detalhes ainda estão sendo avaliados, segundo o BB.

A conta digital é oferecida em outros bancos brasileiros e tem como diferencial a isenção de tarifas, já que oferece em seu pacote apenas transações eletrônicas. No Itaú, o serviço se chama iConta e, no Bradesco, Digiconta – em ambas, a modalidade está disponível para novas adesões. Nesses casos, o cliente tem benefícios como TED / DOC ilimitados, consultas de saldo e extratos ilimitados e transferências ilimitadas, sem pagar nada.

Tarifas cada vez maiores

Ao passo em que as contas digitais não cobram tarifas, as outras modalidades de conta corrente estão ficando mais caras: analistas do JPMorgan apontaram, em relatório distribuído a clientes no dia 19 de setembro, que as tarifas de conta corrente cobradas pelos bancos brasileiros tiveram um aumento de 12% no primeiro semestre do ano em comparação com o mesmo período de 2015.

No caso do Banco do Brasil, os analistas apontam que, após um reajuste das tarifas abaixo da média dos demais bancos entre 2011 e 2015, o BB está alcançando os demais bancos: somente no primeiro semestre do ano, o banco aumentou as tarifas de seus pacotes de serviços em uma média de 24%, em comparação aos preços do primeiro semestre de 2015. Já os demais bancos brasileiros reajustaram as tarifas, na mesma comparação, em 9%. A alta foi tão grande que o JPMorgan disse que já não há diferença representativa entre as tarifas do BB e as dos bancos privados.

Além do Banco do Brasil, outra instituição que apresentou reajustes maiores que a média foi a Caixa Econômica, de 23% na mesma base comparativa. Os reajustes mostram que, no governo Temer, os bancos públicos terão muito mais foco em rentabilidade - ainda que tenham de tomar medidas impopulares como reajustes muito acima da inflação.

Deixe sua opinião sobre essa matéria:

Limite de caracteres (0 / 250)
SOBRE

Sindicato dos Bancários do Maranhão - SEEB/MA
Rua do Sol, 413/417, Centro – São Luís (MA)
E-mail: comunicacao@bancariosma.org.br
Telefones: (98) 3311-3500 / 3311-3522
CNPJ: 06.299.549/0001-05
CEP: 65020-590

MENU RÁPIDO

© SEEB-MA. Sindicato dos Bancários do Maranhão. Gestão Mobilização, Unidade e Luta.